Archive for maio, 2010

O que me traduz?!

Author: susanadeoliveira
“O verbo que traduz Cristo é amar. O amor que entrega.
O verbo que traduz o antiCristo é poupa-te.”
_
(pr. Paulo Junior – extraído do podcast Vida Crsitã Relevante, acessado em 27/05/2010 no www.irmaos.com)

Há grande recompensa!

Author: susanadeoliveira

“Quem pode discernir seus próprios erros?” Pergunta o salmista. Quem é capaz de reconhecê-los? Quem se atreve a parar por um instante e pedir a Deus que vasculhe o coração? E pedir que Ele venha trazer alguma luz? Interessante como Davi sabia da complexidade dessas questões. Por isso não as tratou de maneira simplista ou negligente.

Em primeiro lugar, pede a Deus que o absolva dos pecados que ele próprio desconhece. Tinha consciência da sua natureza imperfeita. Bem como da graciosa e perfeita essência de Deus! Sabia que diante dos olhos de Deus sempre haveria algum erro mesmo. Claro, Deus é Perfeito, plenamente Santo. Mas, assim como é santo, é também cheio de graça e amor. Mesmo não sendo capaz de discernir todos os seus erros, ele sabia que seria aceito e amado.

Esse é apenas um lado da moeda. E se Davi tivesse parado por aí (e infelizmente é o que a maioria de nós temos prazer em fazer), éh, se ele tivesse ficado por aí em suas reflexões é bem provável que usasse tal pensamento como desculpa para continuar sua caminhada da mesma maneira, insistindo em errar, tomando a dianteira em tudo, fazendo e acontecendo como sempre fez. “Mas eu estou bem, Susana”, “não tem nada de errado não, está tudo bem”, “peço a Deus perdão, todos os dias, pela multidão de meus pecados”, e por aí vai… hipócrita!

Perceba que na segunda petição, ele diz: “Guarda o teu servo dos pecados intencionais; que eles não me dominem! Então serei íntegro, inocente de grande transgressão.” Que quer dizer pecado intencional? Muito simples, é aquilo que sabemos que não é correto, mas o senso comum não me condena, então, por que não?! Sabemos que agride a santidade de Deus, mas o coração está tão distante dele que, por que não!? Ninguém está vendo, por que não?! Amanhã eu vou dar um jeito nisto…

O problema está sempre no outro. O erro e a corrupção estão sempre no outro. A condenação e a disciplina são sempre para o outro. Talvez a gente ache que os padrões de Deus nos trarão culpa, tristeza. Talvez esse seja o engano. Normalmente, seremos incompreendidos, é verdade. Mas, deixa eu te contar uma coisa, o fruto do arrependimento é a alegria e a paz! Através do arrependimento sincero, somos de fato, reconciliados com Deus!

“Os preceitos do Senhor são justos, e dão alegria ao coração.

Os mandamentos do Senhor são límpidos e trazem luz aos olhos. (…)

As ordenanças do Senhor são verdadeiras, são todas elas justas.

Por elas o teu servo é advertido;

há grande recompensa em obedecer-lhes.”

(reflexões a partir de um conserto que fiz aqui com Deus… e também da leitura do Salmo19. Vale a pena parar por um instante, ler, orar, arrepender-se e voltar. Há grande recompensa nisto.)

Isto basta

Author: susanadeoliveira

“Não seja refém de elogios. Tenha convicção de que o que você faz diante do Senhor é digno.” Pr. Zezinho

Fé e paciência

Author: susanadeoliveira

“Mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas.” Hebreus 6.12

O Rio Perene está aqui

Author: susanadeoliveira

Algumas perguntas são inevitáveis: Como viemos parar aqui, nesse caos? O que aconteceu de errado com o homem? O que houve na história que possa ter gerado tamanha insensatez? Ou tantas guerras? Quem é o culpado de tudo isso? Quero compartilhar uma história que talvez possa elucidar algumas respostas para nós.

Quem não conhece alguma história a respeito de Moisés? O sujeito conhecia Deus como amigo. Precisa dizer mais alguma coisa? Pois então, seu sucessor foi Josué. Josué caminhou muito tempo com Moisés e herdou um espírito diferente. Ele e Calebe, conseguiram ver aquilo que ia no coração de Deus quando ninguém mais o pode. Conduziu o povo em grandes vitórias. Deus estava com ele. Mas e depois? O que acontece depois?!

“Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o Senhor e o que Ele havia feito por Israel.” (Juízes 2.10)

É muito simples, o que acontece é que se levanta uma geração que não conhecia sua própria história e muito menos o Deus vivo. Abandonaram ao Senhor em tudo e chamaram para si guerras, frustrações, engano, egoísmo, destruição etc.

Mas Ele sempre se compadecia do povo e levantava a figura dos juízes, eram como salvadores da pátria, literalmente. Eram libertadores. Obtinham vitória contra os inimigos, pois Deus era com eles. E, além disso, eram procurados pelo povo para julgar as suas questões. Enquanto o juiz vivia, havia paz. Porém quando ele morria, o povo se perdia em caminhos ainda mais desastrosos que os de seus antepassados, se perdia em sua obstinação tola.

Veio-me a mente duas imagens: de um rio perene e de um rio intermitente. É como se esses juízes fossem rios intermitentes. Nasciam, se levantavam, traziam a paz e, logo, morriam. Suas águas corriam por um pouco de tempo, mas logo estava tudo seco outra vez. Será que Deus não estava a sonhar com um rio perene?! Com um justo juiz que vivesse para sempre?! A quem o seu povo pudesse consultar sempre em suas mais diversas questões?! Que pudesse conduzir-nos a vitória, porque Deus seria sempre com ele!? Que pudesse restabelecer a paz?!…

Todos procuram por seus salvadores, procuram por alguma luz no final do túnel, procuram por alguma cosmovisão que os auxilie nesse mundo insano, procuram por seus juízes. O problema é que apostam tudo em líderes, mestres, em conhecimento, em amores vãos, em sua própria reputação! Tudo isso passa depressa demais! Cometem os mesmos erros, caem nos mesmos buracos.

Ah, minha geração, lembra de tudo o que Ele fez por você! Quantas vezes Ele o tem chamado para perto… Lembra do que Ele fez no passado! Se essa história você não conhece, ocupe-se em conhecer! Tome nota de tudo! Preste atenção no caminho que você percorreu até aqui, sei que vai enxergá-lo!

Jesus! É esse o nome. Ele é o verdadeiro juiz do coração, aquele que vê as intenções. Ele traz a verdadeira paz ao nos reconciliar com ele, bem como todas as coisas. Foi nos dado esse privilégio: conhecer aquele que vive para sempre, o justo juiz! Perfeito! A paz não precisa mais ir embora. Melhor que isso, Ele nos torna agentes da paz, portadores da paz, pacificadores. Ele é o verdadeiro salvador! O Rio Perene está aqui. Quem tiver sede de justiça, venha e beba.

Corrupto, eu?!

Author: susanadeoliveira

Daniel foi um cara extraordinário. Na verdade eu diria que ele foi o cara! Eu me casaria com ele se não tivesse vivido a 500 ou 600 anos a.C.!!! haha… Foi criado junto com o seu povo, teve “berço”, sabe?! Recebeu educação de alta qualidade, tanto em termos de postura diante das pessoas como em termos de conhecimentos diversos. Recebeu princípios elevados, desses que não passam com o tempo, que não se desgastam pelo uso. E além de toda essa bagagem, o cara era bonito, de físico perfeito.

O que acontece é que, ele ainda jovem, foi levado como escravo de um outro povo. A primeira vista parece algo terrível, e em diversos aspectos tenho certeza de que foi mesmo. Só que esse outro povo era simplesmente uma potência naquela época. Um povo rico, desenvolvido em termos de saberes, capaz de disponibilizar um leque de possibilidades de entretenimento, um povo crente, criam em diversos deuses e filosofias. E, para você entender tudo agora, como Daniel era um cara diferenciado, inteligente, bem preparado, bonito e capaz, é chamado para servir no palácio, estudar e desfrutar de todo conforto.

Pense bem, ele estava longe de casa, longe dos seus. Ele tinha duas opções: integridade ou corrupção. Corrupção de que? Dos valores, dos princípios que recebeu do alto. Fiquei pensando que princípios seriam esses e me lembrei de alguns, para os quais não existe lei. Desses que não passam com o tempo. Os costumes passam, mas alguns valores são imutáveis. Quem se atreve a questionar o amor? Quem poderia rejeitar a fidelidade, a mansidão? Quantos se propõem a levantar uma bandeira contra a paz? “(…) amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio, pois contra esses não existe lei.” (carta do apóstolo Paulo aos Gálatas, capítulo 5 e versículo 22) Perceba que a maioria dessas qualidades se refere a nossa maneira de agir para com o outro e fala do padrão mais alto de justiça.

Então o que é corrupção afinal? É deixar os princípios, é abandonar os valores mais elevados, é abandonar a fonte. É um crime abandonar a fonte…

Daniel optou pela integridade. Desde as pequenas decisões a respeito do que comer ou beber, até as grandes decisões, que colocariam sua vida em risco, ele se manteve fiel. E, ainda mais, ele permaneceu assim até o final e Deus o honrou em tudo. E sabe o que mais?! Daniel não permitiu que o seu intelecto o separasse de Deus. Pelo contrário, usou sua inteligência e sabedoria em honra ao verdadeiro rei.